domingo, 9 de dezembro de 2012

Diagramação em época de PNLD

De novembro a março, inicia-se a época mais temerosa dos diagramadores, editores e revisores: O PNLD (Programa Nacional do Livro Didático). São 3 meses em que as editoras correm contra o tempo para criar um material didático ideal para avaliação do MEC; e, se aprovado, o Governo subsidia as coleções e as distribui para todas as escolas públicas. 

Para se ter uma ideia em números, em 2010, o Governo adquiriu 135,6 milhões de exemplares; um custo de aproximadamente R$ 880,2 milhões de reais. 

Os livros de PNLD são, essencialmente, para os ensinos fundamental e médio abrangendo as matérias: língua portuguesa, matemática, ciências, história, geografia, dicionários e obras didáticas em braille voltadas para a educação especial. E para o próximo PNLD, ainda inclui os livros digitais.

É neste período que todas as editoras focam seus esforços! E, para quem é diagramador mas nunca trabalhou com didáticos, essas 4 letras dão medo só ao serem pronunciadas.

Conversei com a Bianca Giglio, 23 anos, diagramadora formada em Design Gráfico e pós-graduada em Design editorial, com experiência há 5 anos em didáticos e paradidáticos para explicar como funciona o dia a dia de um diagramador em época de PNLD. 

Marcia: Conte um pouco sobre a rotina de um diagramador?
Bianca: A rotina de um diagramador de livros didáticos, seja para o governo (PNLD) ou mercado, se baseia em diagramar seguindo o projeto gráfico, aplicar e tratar fotos, reproduzir gráficos e ilustrações simples e fazer as emendas da prova de revisão.

Marcia: Quantas provas de revisão são feitas, em média, para cada livro didático?
Bianca: Depende muito do conteúdo, mas geralmente, mínimo de 3 provas independente da matéria.

Marcia: Quais são os principais cuidados que o diagramador deve ter ao diagramar um livro didático?
Bianca: No livro didático, a preocupação maior está em seguir o projeto gráfico, se vai fechar caderno (dependendo do tipo de impressão) e se for livro para PNLD, tem uma série de padrões a serem seguidos.


Diagramação feita por Bianca Giglio dos livros didáticos Piauí -
Encontros com a Geografia e Piauí - Encontros com a História.

Marcia: O livro é diagramado apenas por uma pessoa? Acontece revezamento entre diagramadores em um único livro?
Bianca: O livro pode ser diagramado por por uma única pessoa, mas o revezamento é bastante comum nas editoras, devido ao grande volume de trabalho.

Marcia: E quanto aos prazos? Geralmente leva-se quanto tempo para diagramar um livro? Qual a média de páginas diagramadas por dia?
Bianca: No processo de elaboração do livro, a diagramação e a revisão fazem parte da etapa final. Caso apareça algum imprevisto que atrase o processo, geralmente, o prazo permanece o mesmo e temos menos tempo para produzir. Isso é muito comum em didáticos e a correria é maior na entrega dos livros para PNLD.
O tempo para diagramar depende muito da matéria e do conteúdo abordado. Por exemplo, um capítulo de língua inglesa ou história com 32 páginas leva menos tempo que um capítulo de matemática com a mesma quantidade de páginas. Cada matéria tem suas especificidades, páginas com fórmulas, gráficos, tabelas, infográfico e diagramas levam mais tempo que uma página com apenas texto e fotos, o que varia de página para página dentro de um mesmo capítulo.
Marcia:
O que um editor espera do diagramador e suas responsabilidades?
Bianca: Caso o editor trabalhe com a quantidade de páginas definidas, ou o que vai entrar em cada página pré-definido, ele espera do diagramador que o conteúdo caiba na página e que fique visualmente agradável, de acordo com o projeto gráfico. 
 
Marcia: O diagramador possui autonomia para opinar em uma melhor distribuição do conteúdo na página?
Bianca: Quem define a distribuição do conteúdo na página é o diagramador. Mas pode acontecer de no original (texto em word para diagramação) ter orientações quanto ao posicionamento de algum elemento quando o editor relaciona esse posicionamento ao conteúdo. 

Diagramação de livro didático feita por Bianca Giglio (média de 150 páginas - 16 aulas por livro).
Participou de recorte e tratamento das imagens, criação de grafismos, aberturas de aulas e fechamento de arquivo.
Este livro pertence a coleção de livros da Editora Sangari.

Marcia: Quem são os profissionais envolvidos na produção de um livro didático? (Editor, assistente editorial, produtor editorial, revisor, iconografia, diagramador, estagiário, capista etc)
Bianca: Basicamente quem participa da produção são: autor, editor, preparador, editor de arte, diagramador, revisor e iconografia. Dependendo da matéria e do assunto tratado, cada capítulo vai ter necessidades diferentes, sendo assim, pode participar também da produção o ilustrador, cartógrafo, entre outros. 

Marcia: Quais são os pontos positivos e negativos do processo de trabalho?
Bianca: Como ponto negativo, pode-se considerar o prazo, que é sempre um desafio. Como ponto positivo, o dinamismo pela diversidade de elementos que compõem a página. Em um momento se faz uma tabela, em seguida um gráfico, depois aplica-se cotas nas ilustrações e assim por diante. E, por isso, existe uma liberdade maior ao solucionar as páginas.

Marcia: Qual a dica que você pode dar para quem quer ingressar na profissão?
Bianca: Conhecer bem o software, no caso o InDesign, e procurar sempre se atualizar através de cursos ou até mesmo pela internet, para saber as possibilidades e recursos do programa para diagramar melhor.
Como o projeto gráfico de livro didático tem muitos detalhes (estilos, vinhetas e padrões a serem seguidos), é importante que o diagramador seja atencioso e organizado. E vale lembrar que o livro digital está tomando cada vez mais espaço no mercado editorial e vai ser cada vez mais necessário entender como ele funciona.

Quem quiser conhecer um pouco mais sobre o trabalho de Bianca Giglio, acesse: http://www.designup.pro.br/pro/bianca

0 Opiniões: